Já sabe o que fazer com o saque do FGTS?

23/06/2022

Os empregados “de carteira assinada”, como são popularmente conhecidas as pessoas que trabalham por contrato, com base nos termos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), têm o direito de receber todos os meses que estiveram ativas em alguma empresa, um depósito de 8% do salário base que consta na Carteira de Trabalho.

Esses depósitos caem na conta do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) — uma conta que todo trabalhador possui logo que assina o contrato de trabalho. Inicialmente, quando foi criado em 1966, tinha o objetivo de ser um fundo de garantia para o trabalhador no caso de demissões sem justa causa. Entretanto, hoje é possível retirar o dinheiro do FGTS em diversas ocasiões, não somente nesse caso.

Os exemplos já conhecidos em que se permite sacar o dinheiro do FGTS são nas modalidades de saque-aniversário ou de saque-rescisão, onde o empregado celetista deve optar por uma das duas. Na primeira, ele recebe todo ano, no mês do seu aniversário, um saque para utilizar como quiser. No segundo caso, ele pode retirar o dinheiro somente no caso de rescisão do contrato de trabalho sem justa causa.

No mês de março, por exemplo, o Governo Federal anunciou o início do chamado “Saque Extraordinário”, que é o tipo de saque liberado para todas as pessoas com contas ativas ou inativas no FGTS, no valor máximo de R$ 1.000,00. O que é uma boa para sair do vermelho naquele mês que o orçamento apertou, pagar dívidas, resolver pendências ou até mesmo investir — sendo o mais indicado.

Como o FGTS possui uma rentabilidade considerada baixa para o atual momento econômico do país, com juros (taxa SELIC) beirando os 13% ao ano, o ideal é retirar este saldo disponível na conta do FGTS e aplicar em fundos de maior rentabilidade, como o Tesouro Direto, ou até mesmo a Bolsa de Valores. Entretanto, é preciso muito cuidado ao investir nesses ativos (que é tudo aquilo que se adquire e gera ganhos com o passar do tempo), pois você pode arriscar perder dinheiro.

Pagamento de dívidas

O número de inadimplentes no Brasil cresceu consideravelmente. Em um momento de recuperação da economia, depois de todos os problemas enfrentados durante a pandemia, como a baixa na produção industrial, alto número de desempregados e diversas empresas falindo, é possível, com esse dinheiro retirado do FGTS, resolver aquela dívida que colocou seu nome no vermelho. Dívidas referentes a faturas de cartão de crédito, financiamentos, empréstimos, dentre outros.

Empréstimo online entre pessoas

A Comunidade Financeira do Bullla foi criada como uma alternativa para que as pessoas pudessem investir seu dinheiro com segurança emprestando para outras pessoas físicas (aquele dinheiro parado que não está rendendo tanto), assim como para aquelas pessoas que estão necessitando de um empréstimo com juros baixos, em uma plataforma segura e reconhecida pelo Banco Central.

No Bullla você encontra um atendimento rápido, sem burocracia. Saiba mais aqui.

Compartilhe:
Política de Privacidade | Bullla

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo site, você autoriza o Bullla coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.